Como é que os antigos sabiam? O jejum pode regenerar todo o sistema imunitário: Veja como!

0
491
Jejum
Jejum

O jejum foi sempre usado para a meditação profunda e cura espiritual no passado, mas a Ciência moderna está a começar a reconhecer os seus benefícios para a Saúde.

Um novo estudo realizado na Universidade do Sul da Califórnia sugere que o jejum não só ajuda a evitar danos no sistema imunológico, como também pode produzir células-tronco hematopoéticas que geram sangue e células do sistema imunológico.

O jejum praticado em 2 em cada 4 dias  ao longo de um período de 6 meses foi definido como sendo eficiente para destruir células envelhecidas e danificadas. Curiosamente, este princípio pode, teoricamente, ser aplicado a pacientes com cancro submetidos à quimioterapia. Para aqueles de vocês que não sabem, a quimioterapia mata as células cancerosas, mas também destrói essencialmente algo a mais no seu corpo, incluindo o seu sistema imunológico. E com esta nova informação, o jejum poderia ser uma forma eficaz de combater os efeitos colaterais da quimioterapia.

Edna M. Jones professora de Gerontologia e Ciências Biológicas da Davis School of Gerontology USC e directora do Instituto de Longevidade USC, manifestou a sua surpresa, dizendo: “Nós não poderiamos prever que o jejum prolongado teria um efeito tão notável na promoção da haste de regeneração do sistema hematopoiético celular à base “.

“Quando você passa alguns dias com fome, o sistema tenta economizar energia, e uma das coisas que ele pode fazer para economizar energia é reciclar muitas das células do sistema imunológico que não são necessárias, especialmente aquelas que podem ser danificadas,” Edna diz: “O que começamos a perceber no nosso trabalho animal e trabalho humano é que a contagem de  células brancas (ou leucócitos) diminui com o jejum prolongado “.

Diminuição de Leucócito
Diminuição de Leucócito

Muitas perguntas que cercam o efeito do jejum ainda estão à espera para serem atendidas. Enquanto isso, alguns especialistas são cépticos em relação à pesquisa.

Dr. Graham Rook, professor emérito de imunologia na Universidade College London. “Há alguns dados interessantes aqui. O jejum reduz o número e tamanho das células e, em seguida, após a re-alimentação às 72 horas assistiu-se a uma retoma. Tal poderá ser potencialmente útil porque isso não se trata de um tempo de jejum tão longo que seja terrivelmente prejudicial para alguém com cancro. Mas eu acho que a maneira mais sensata de avançar seria para sintetizar este efeito com drogas. Não estou certo de que o jejum seja a melhor ideia.”

Dr. Graham Rook
Dr. Graham Rook

O jejum foi feito em práticas espirituais e religiosas durante milénios em todo o mundo por cristãos, budistas, muçulmanos, judeus, sikhs, e muito mais. Conscientemente do acto de, privar-se de comida e / ou bebida durante 24 horas ou mais.

Eu não sou médico, mas, francamente, tive que discordar com o Dr. Rook. Se o corpo é projectado para, naturalmente, fazer algo por conta própria, neste caso, regenerar-se através do jejum, por que diabos iríamos perder milhões de dólares tentando replicar esse efeito com um comprimido e depois cobrar às pessoas para que eles possam pagá-lo? Vamos gastar milhares de dólares em seguros e ingerindo drogas sintéticas, ou passar dólares e combater a degeneração de células naturalmente?

Como respostas definitivas ainda estão a emergir, claro, poderemos estar a precipitar-nos. No entanto, os dados parecem ser muito promissores.

Fonte: Telegraph.co.uk

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here