Os Medicamentos são o terceiro maior assassino na Grã-Bretanha

0
282
Uso excessivo de fármacos
Uso excessivo de fármacos

Temos gripe?

Experiência pessoal:

1- A primeira coisa que faz um médico formado na Europa ocidental é agarrar no bloco das receitas e prescrever uma série de Fármacos. Se for suficientemente estúpido, acrescenta um antibiótico também;

2- A primeira coisa que faz um médico formado na Europa oriental é prescrever-te um anti-inflamatório e um chá com mel, canela mais um punhado de ervas.

É uma questão de forma mental: o médico ocidental foi “criado” na ilusão de que a única medicina decente é aquela apoiada nos Fármacos, enquanto no Leste teimam em não abandonar os curativos tradicionais e a medicina alternativa.

Como é óbvio, o caminho melhor é o segundo. Mas por qual razão? Porque as doenças não são todas iguais, pelo que algumas necessitam de Fármacos, outras podem ser tratadas ou com um conjunto de Fármacos mais os remédios naturais ou até só com os segundos.

Infelizmente, como vimos, a orientação ocidental é aquela de favorecer, sempre e sem excepções, os produtos das casas Farmacêuticas, rotulando como “inútil” ou “primitiva” qualquer outra solução. Mas isso cria uma série de enormes problemas, como bem sabe o professor Peter Gøtzsche.

Professor Peter Gøtzsche
Professor Peter Gøtzsche

Gøtzsche é um daqueles investigadores que nunca conseguirão um Nobel. E ele, que parvo não é, sabe disso. Mas evidentemente terá pensado que é possível viver sem o prémio. E acho que tem razão.

O médico dinamarquês, decidiu reunir uma série de dados e publicá-los num livro, com resultados surpreendentes. Os Fármacos utilizados no tratamento das doenças psicológicas e psiquiátricas são a terceira maior causa de morte na GrãBretanha, logo após as doenças cardíacas e o cancro. Os efeitos colaterais dos Medicamentos contra insónia e ansiedade provocam milhares de vítimas.

Porque, então, os médicos costumam prescrevê-los com tanta facilidade?

O diário britânico Daily Mail entrevistou Gøtzsche. É ele que explica qual é a situação, após um título bastante cumprido:

«Os Fármacos prescritos são o terceiro maior assassino da Grã-Bretanha: os efeitos colaterais dos Medicamentos tomados contra a insónia e a ansiedade matam milhares. Porque os médicos os distribuem como rebuçados?»

O uso de Fármacos psiquiátricos está em subida vertiginosa (80 milhões de vendas por ano), um número crescente de pessoas desenvolve dependência, há muito poucas clínicas para tratá-los e um número de vítimas em ascensão: pode parecer o cenário dum país empobrecido pelos cartéis da droga. Em vez disso, é a realidade diária dos pacientes dos serviços de Saúde britânicos que são tratados contra a ansiedade, a insónia e a depressão. Medicamentos prescritos que não são apenas muitas vezes desnecessários e ineficazes, mas também podem ser viciantes, provocar efeitos colaterais incapacitantes e matar.

Antipsicóticos
Antipsicóticos

Os antipsicóticos, habitualmente subministrados a pacientes que sofrem de demência para mantê-los quietos, aumentam o risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral (AVC) e diabetes. Os Fármacos aumentam a possibilidade de quedas que, em caso de quebra da anca, podem significativamente encurtar a vida útil, enquanto alguns antidepressivos estão ligados a irregularidade do batimento cardíaco potencialmente mortal.

O número de mortes devido a estes comprimidos tem sido grosseiramente subestimado. Como revelado no novo livro «Deadly Psychiatry And Organised Denial», o total real é assustador. De acordo com os meus cálculos, com base em dados de fontes publicadas e não publicadas, os Fármacos são a terceira maior causa de morte depois das doenças cardíacas e do cancro.

Como investigador da Cochrane Collaboration, uma organização internacional independente que avalia a investigação médica, o meu papel é o de avaliar do ponto de vista forense os resultados dos tratamentos. No começo isso levou-me a desafiar hipóteses amplamente apoiadas, como no caso dos benefícios do rastreio do cancro da mama (de acordo com as minhas estimativas, a cada ano no Reino Unido milhares de mulheres submetem-se a tratamentos desnecessários por causa de diagnósticos exagerados). Mas o que eu descobri sobre os danos causados por Medicamentos psiquiátricos excede em muito qualquer outra coisa que tenha sido identificada.

Na verdade, mesmo que todos os dados estejam já disponíveis, se souberes por onde procurar. Sou o primeiro a tê-los reunidos e descobri, por exemplo, que o número de suicídios entre adultos e crianças que estão a ser tratados com antidepressivos é 15 vezes maior do que o número calculado pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos. No entanto, os psiquiatras e os médicos geralmente ignoram ou negam a espantosa magnitude dos danos dos Fármacos, também usados frequentemente ao acaso. Só neste mês, por exemplo, um estudo publicado no British Medical Journal revelou como, em Inglaterra, milhares de pessoas com dificuldades de aprendizagem são regularmente tratadas com Medicamentos antipsicóticos, Medicamentos que não fazem nada para ajudar esses pacientes, mas são usados como uma camisa de força química.

Porque a história se repete?

Valium
Valium

Há oito anos atrás tinha sido avisado sobre os problemas criados pelas drogas, quando uma aluna minha tinha sugerido essa ideia para a sua tese de doutoramento: “Porque a História se repete? Um estudo sobre benzodiazepinas e antidepressivos”.

Ela tinha descoberto que tranquilizantes populares como o Valium (um fármaco baseado nas benzodiazepinas) tinham sido apresentados como muito seguro assim que introduzido, mas depois foi descoberto que provocava elevada dependência. Mais tarde, quando os inibidores selectivos da recaptação da serotonina (SSRIs) entraram no mercado, há 20 anos, a grande razão da venda era que não causavam dependência. Mais uma vez, não era verdade.

Decidi “cavar profundamente” nesta área e agora tenho três estudantes de doutoramento que investigam para descobrir o que os Fármacos fazem realmente às pessoas.

Os resultados são surpreendentes, os médicos “distribuem-nos” em grande quantidade, porque acreditam na eficácia e na segurança deles, mas os testes estão baseados numa má Ciência. Os esqueletos estão a sair deste guarda-roupa com um ritmo alarmante. As pílulas para dormir, por exemplo, deixam de ser úteis após um par de semanas, mas é deixado que os pacientes continuem a ingeri-los durante anos, isso enquanto os antipsicóticos são aprovados com base em dois ensaios em que foram comparados com placebos, não importa então o quão pequeno seja o efeito.

As falhas nos ensaios

Uma razão pela qual os médicos são enganados é a falha fatal na forma como os ensaios são realizados. Ninguém é suposto saber a qual grupo é dado o medicamento e a qual o placebo.

Técnica do "duplo cego"
Técnica do “duplo cego”

Os testes são realizados com a técnica do “duplo cego”. São criados dois grupos de pacientes: um grupo que obtém o verdadeiro medicamento, o outro um placebo (uma pílula normal de açúcar). É chamado de duplo-cego porque, em teoria, nem o médico nem o paciente sabem quem recebeu o medicamento ou o placebo.

Mas nos ensaios é amplamente sabido quem fica com o medicamento psiquiátrico porque este causa efeitos colaterais definidos, tais como náuseas e boca seca. Os médicos, cujo relatório acerca de como os pacientes respondem, é utilizado para julgar a eficácia do medicamento, tendem a relatar melhores resultados para o grupo do medicamento, mas estes resultados são distorcidos pelo facto deles saberem a quem o verdadeiro fármaco tinha sido subministrado.

Sabemos que isso acontece porque uma análise de estudos conduzida pela Cochrane Collaboration descobriu que, quando o placebo for realizado para provocar efeitos colaterais semelhantes aos Medicamentos, os psiquiatras relataram bons resultados em ambos os grupos.

Noutras palavras, foi descoberto que o fármaco não é mais eficaz do que o placebo.

Com base no mesmo tipo de ensaios, os antidepressivos também estão a ser prescritos para doenças como a compulsão alimentar, o transtorno de pânico, o transtorno obsessivo-compulsivo e sintomas da menopausa.

Os benefícios reivindicados podem ser ridiculamente pequenos. Por exemplo, diminuir a taxa das “ondas de calor” de dez para nove por dia. Contudo, apesar da falta duma boa evidência acerca dos benefícios, são distribuídas por ano 57 milhões de prescrições de antidepressivos só na Inglaterra e os pacientes são deixados com eles durante anos.

As consequências

Antidepressivos
Antidepressivos

Uma razão pela qual a utilização de Fármacos está em constante expansão é que não existe nenhum marcador químico para diagnosticar a depressão ou a ansiedade. Assim, mudanças diárias do humor, tais como sentir-se menos feliz ou mais ansioso, pode ser uma razão para o tratamento. A maioria de nós até poderia obter um ou mais diagnósticos psiquiátricos se consultasse um psiquiatra ou um médico de família.

Um tratamento bem sucedido para a depressão deve permitir que as pessoas possam levar uma vida mais normal, voltar ao trabalho, manter relacionamentos, etc. Mas, em todos os milhares de ensaios, nunca vi evidências de que os antidepressivos possam fazer isso.

Alguns pacientes podem tornar-se um pouco eufóricos, mas nos pacientes investigados muitos relatam sentir-se pior, afirmam que as pílulas mudam as suas personalidades e não num bom sentido, podem mostrar menos interesse noutras pessoas e relatam sentir-se emocionalmente entorpecidos. “Como viver sob um cobertor de queijo” é uma descrição típica que os pacientes utilizam. A função sexual desaparece, a libido cai em metade dos pacientes e metade não conseguem atingir o orgasmo ou a ejaculação. Então, os antidepressivos não são susceptíveis de salvar os relacionamentos íntimos, são mais propensos a destruí-los.

Quando dei uma palestra para psiquiatras infantis australianos, um deles disse que sabia que três adolescentes que tomavam antidepressivos tinham tentado o suicídio porque não não tinham conseguido uma erecção na primeira vez que tentaram fazer sexo.

Aqueles rapazes não sabiam que a culpa era do fármaco, achavam que havia algo de errado neles. Embora muitos psiquiatras acreditem ainda que os SSRIs possam reduzir o risco de suicídio que pode aparecer com uma depressão. Está bem estabelecido que esses Medicamentos na verdade aumentam o risco em crianças e adolescentes, e muito provavelmente em adultos também.

Apesar da falta de um marcador químico para qualquer transtorno psiquiátrico, os psiquiatras frequentemente afirmam que os Medicamentos trabalham para corrigir um desequilíbrio químico no cérebro. Eles dizem que é como a insulina e as diabetes e que os pacientes não conseguem produzir serotonina suficiente. Foi-me dito por um professor de psiquiatria que parar um antidepressivo seria como retirar a insulina a um diabético.

Mas é absurdo. Ninguém descobriu que as pessoas deprimidas têm menos serotonina no cérebro, na verdade alguns antidepressivos baixam a serotonina.

Este conto de fadas tem-se revelado muito prejudicial e pode levar os pacientes a tornarem-se viciados. São dados mais comprimidos ou doses mais elevadas na esperança de que o “desequilíbrio” possa ser reparado, e tal pode continuar durante anos. Quando tentam abandonar as pílulas e experimentam efeitos colaterais desagradáveis, os pacientes afirmam que o que lhes foi dito é que os seus sintomas são o resultado da doença que regressa.

Isso ignora o facto de que os efeitos da suspensão dos Fármacos pode imitar os sintomas do transtornos psiquiátricos. Também não encaixa com o que acontece, quando os pacientes em desespero voltam aos Fármacos novamente, porque dentro de algumas horas podem estar a sentir-se melhor. A verdadeira depressão não se desvanece tão rapidamente.

Os equívocos dos médicos sobre os Medicamentos que prescrevem estão a transformar problemas temporários em crónicos.

Apenas Diga Não

Fármacos para dormir
Fármacos para dormir

Mais de um milhão de pessoas no Reino Unido são viciadas em pílulas para dormir e Medicamentos anti-ansiedade, de acordo com o All Party Parliamentary Group on Involuntary Tranquiliser Addiction, apesar de há anos o aconselhamento oficial tem sido de não prescrevê-los por mais de quatro semanas.

Os pacientes entrevistados revelam que um número semelhante está a ter problemas para afastar-se dos antidepressivos. No entanto, o sistema nacional de Saúde não faz quase nada para ajudar essas vítimas. Há vergonhosamente poucas estruturas para tratá-los, menos de dez em todo o país, e todas são mantidas por pequenas instituições de caridade e algumas das quais estão em vias de encerrar devido à falta de financiamento.

Precisamos educar os médicos para que eles saibam como é que esses Medicamentos realmente funcionam, e para mostrar-lhes como ajudar os pacientes a deixar de tomar os comprimidos (reduzindo muito suavemente a dose).

De acordo com os meus cálculos, se os Fármacos psiquiátricos só forem prescritos por algumas semanas em situações agudas, seria preciso apenas 2% das actuais prescrições para a insónia, a depressão e a ansiedade. A poupança em termos humanos e financeiros seria enorme.

A minha proposta é iniciar uma campanha cujo nome é “Just Say No“: é tempo para uma Guerra contra os Fármacos psiquiátricos.”

Voltamos ao discurso de abertura e a isso somarmos o que foi afirmado pelo professor Gøtzsche: significa então que todos os Fármacos são inúteis? A pergunta é pertinente, pois na Internet é muito simples encontrar histórias de “tratamentos milagrosos”, de “curas” não reconhecidas pela Ciência que tratam doenças impossíveis. É o caso do cancro, para dar um exemplo.

A resposta deve ser peremptória: não, nem todos os Fármacos são inúteis. Há doenças que não estão ao alcance da medicina tradicional nem da alternativa.

Não estão convencidos? Então reflictam acerca disso:

1- Da família Agnelli (dona da FIAT), alguns membros foram atingidos pelo cancro, o tratamento utilizado foi: quimioterapia e radioterapia;

2- O presidente da França, François Mitterrand, foi tratado com: quimioterapia e radioterapia;

3- Lloyd Blankfein, judeu e número um da Goldman Sachs, com linfoma, o tratamento utilizado foi: quimioterapia;

4- Warren Buffet, número um da Berkshire Hathaway, o homem mais rico da América, com cancro da próstata, o tratamento utilizado foi: quimioterapia;

5- James Dimon, número um de JP Morgan Chase, com cancro na garganta, o tratamento utilizado foi: quimioterapia e radioterapia;

6- Robert Benmosche, número um do gigante dos seguros AIG, com cancro do pulmão, o tratamento utilizado foi: quimioterapia;

7- Sultan bin Abdulaziz AlSaud, o príncipe herdeiro do trono saudita, com cancro, o tratamento utilizado foi: quimioterapia.

Sultan bin Abdulaziz Al-Saud
Sultan bin Abdulaziz Al-Saud

Realmente acham que estes senhores não têm (ou tinham, como no caso de Mitterand) “amizades” suficientemente importantes para evitar o que todo o resto da humanidade faz em caso de cancro, quimioterapia e/ou radioterapia? Falta de dinheiro? Não brinquemos, por favor…

As empresas Farmacêuticas são um horror: pensam só única e exclusivamente no lucro, acerca disso não podem existir dúvidas. Mas há Medicamentos ou tratamentos que, infelizmente, não podem ser substituídos.

O que o professor Gøtzsche faz é lançar um alarme acerca de outros problemas: a ignorância dos médicos e até dos profissionais de áreas específicas; as falhas nos métodos de experimentação (e aqui não podemos esquecer as “prendas” que as empresas Farmacêuticas entregam aos envolvidos na redacção dos relatórios); uma cultura da “prescrição fácil” que prejudica o paciente e a Sociedade; uma outra cultura, paralela e igualmente prejudicial, a do medo em denunciar erros e falhas em âmbito médico.

Sempre a manter bem presente afirmando acerca da impossibilidade em substituir determinados tratamentos “modernos”, assim como o perigo de cair em tentações simplistas, não seria mal de vez em quando olhar para trás e recuperar certos métodos que vigoraram ao longo de séculos. Não se fala aqui de aplicar sanguessugas para retirar do paciente o “sangue mau”, é que nem sempre ter um pouco de insónias significa estar deprimido ou precisar de 20 gotas de Valium.

Fonte: Daily Mail

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here