Bolívia proíbe latifúndio e transgénicos no seu território

0
333
Evo Morales
Evo Morales

Em Setembro de 2012, foi aprovada na Assembleia Legislativa do estado plurinacional da Bolívia a lei de bases da Mãe Terra e Desenvolvimento Integral para Viver Bem e foi promulgada em 15 de Outubro de 2012, após vários anos de debate no órgão legislativo e entre organizações sociais no que diz respeito ao seu conteúdo.

Uma primeira versão completa da lei com o nome de “Lei de Bases da Mãe Terra” foi acordada em 2010 por organizações sociais, no término desse ano foi aprovada na Assembleia Legislativa Plurinacional parte do projecto de lei com o título “Declaração de Direitos da Mãe Terra número 071“, deixando a segunda parte do projecto de lei objecto de uma discussão em um período posterior.

A lei da Mãe Terra e Desenvolvimento Integral para Viver Bem foi aprovada como uma lei-quadro, constituindo em consequência, assim a disposição matriz que vai dar à luz as regras legais especiais a serem trabalhadas nos próximos anos.

A articulação de viver bem, o desenvolvimento integral e os direitos da Mãe Terra

A lei define o viver bem como a alternativa no horizonte civilizacional cultural para o capitalismo, o que significa a construção de uma nova ordem ambiental, social, cultural e económica baseada e emergente da visão histórica dos povos indígenas. Textualmente esta lei estabelece que este horizonte civilizacional “nascido nas visões do mundo das nações e povos indígenas camponeses e comunidades interculturais e originários afro-bolivianos”. Agora, para ter este projecto de vida fundado nos povos indígenas e nativos, o mesmo é enriquecido e desenvolvido no quadro do diálogo intercultural e do conhecimento, por isso deve ser construído sobre a complementaridade com todos os povos e sociedades que estão viver no país. Este ponto de vista é importante porque promove a construção de uma sociedade intercultural, respeitando as diferenças e fortalece os povos indígenas e nações no quadro da solidariedade e interdependência com todas as pessoas bolivianas em relação à realização dos direitos colectivos e à erradicação da pobreza.

bolivia
Evo Morales contra os transgénicos

O desenvolvimento integral consiste na implementação de medidas e acções abrangentes (económicas, sociais, espirituais, ambientais, culturais, materiais, etc.) para o fortalecimento e a criação de condições materiais e espirituais para facilitar e fortalecer o bem-estar dos povos e sociedades. Portanto não é um desenvolvimento sinónimo de progresso ou de estilo ocidental. Pelo contrário, ficou estabelecido que estas medidas e acções devem ser culturalmente apropriadas para a realidade dos povos, o que corresponde as suas culturas e a construção as ligações edificantes, ou seja, acções e atitudes construtivas que estabelecem a base para uma Sociedade equitativa, justa e solidária.

A Mãe Terra é um sistema dinâmico vivo composto pela comunidade indivisível de todos os sistemas de vida e seres vivos, interligados, interdependentes e complementares, que compartilham um destino comum. A Mãe Terra é considerada sagrada; alimenta e é a “casa” que contém, sustenta e reproduz todos os seres vivos, os ecossistemas, a biodiversidade, as sociedades orgânicas e os indivíduos que a compõem. Neste contexto, os direitos da Mãe Terra são reconhecidos.

Em seguida, a lei de bases articula três aspectos fundamentais: viver bem, a Mãe Terra, e o  desenvolvimento integral; assim na lei é tomada a decisão de não separar o “desenvolvimento integral”, que é adequado para a realidade boliviana, com o viver bem, promovendo em vez do desenvolvimento integral um estágio intermediário para alcançar o  viver bem. Portanto, o desenvolvimento integral e bem estar não são considerados dois caminhos paralelos, mas parte do mesmo caminho, onde as primeiras acções ajudam a alcançar a segunda que é de ordem mais elevada. No entanto, é sobre a Mãe Terra que este processo de articulação é promovido, uma vez que articula a natureza e os seres humanos.

Complementaridade de direitos enquanto fundamentos da coexistência pacífica entre os povos da Bolívia, as nações e originários de povos indígenas e camponeses e a Mãe Terra

Na lei de bases considera-se fundamental o respeito e o reconhecimento dos direitos dos povos indígenas originários camponeses, mas também reconhece que todo o povo boliviano deve também aproveitar os benefícios da riqueza que a Mãe Terra oferece, o mesmo que no âmbito da utilização sustentável e harmoniosa, eles devem ser distribuídos e redistribuídos pelo estado plurinacional também considerando a construção de uma Sociedade justa, equitativa e solidária, sem pobreza material, social e espiritual.

Palácio do Congresso Nacional, La Paz
Palácio do Congresso Nacional, La Paz

A Bolívia tem cerca de 12 milhões de habitantes, dos quais mais de 5 milhões vivem em condições de pobreza e onde grande parte da população vive em áreas urbanas. A solução para a falta de acesso a serviços, Saúde, Educação, Energia, comunicação e assim como o acesso a alimentos, aos meios que permitem melhorar as oportunidades para a criação de condições materiais e fortalecimento de condições espirituais para viver bem, requer um esforço governamental e social para o desenvolvimento de acções e investimentos que envolvam o acesso e a disponibilidade de recursos financeiros por parte do estado.

Então na Bolívia não se pode erradicar a pobreza nem garantir os direitos fundamentais (civis, políticos, sociais, económicos e culturais) das pessoas se eles não tiverem um estado plurinacional forte e com capacidades para realizar este desafio, pelo menos num cenário em que o nosso país seja soberano e não dependente. A própria lei expressa no artigo 11, nº 1, diz que é o dever do estado plurinacional criar as condições para garantir a sua sustentabilidade.

Nesta linha de pensamento a lei estabeleceu que o viver bem é alcançado através da promoção e fortalecimento de quatro direitos:

1. Os direitos da Mãe Terra;

2. Os direitos das nações e dos povos originários indígenas e camponeses, comunidades interculturais e afro-bolivianos;

3. Os direitos civis, políticos, sociais, económicos e culturais do povo boliviano para satisfazer as necessidades de empresas e indivíduos;

4. O direito da população urbana e rural de viver numa Sociedade justa, equitativa e solidária, sem material, social e pobreza espiritual.

Estes direitos não podem sobrepor-se uns aos outros ou priorizar-se um sobre outro, pelo contrário, deve realizar-se de maneira complementar, compatível solidária e interdependente. Este é o equilíbrio máximo que propõe a lei para a construção do viver bem.

Objectivos, regras e orientações do viver bem, através do desenvolvimento integral

Pobreza na Bolivia
Pobreza na Bolivia

Quando o desenvolvimento integral for um passo intermediário em direcção ao viver bem, a lei estabeleceu 10 objectivos e 11 bases e orientações de desenvolvimento integral, no âmbito de valores do viver bem: saber crescer, saber alimentar-se, saber dançar, saber trabalhar, saber comunicar-se, saber sonhar, saber ouvir e saber pensar.

Entre alguns dos objectivos que temos associados com “o saber alimentar-se para viver bem” que é a realização do direito à Alimentação no contexto da soberania com a segurança alimentar, por isso é que se estabelece a importância de fortalecer os sistemas económicos, produtivos e ecológicos locais, assim como o fortalecimento e reavaliação dos meios de subsistência dos pequenos produtores, das nações e povos indígenas e camponeses, comunidades interculturais e afro-bolivianos. Outro objectivo promove a mudança de padrões de consumo insustentáveis, o uso racional de Energia, a conservação de água, a eliminação do consumismo, e o aproveitamento sustentável dos componentes da Mãe Terra. Existe também o objectivo da mudança dos padrões de produção poluente, fortalecendo os sistemas de produção compatíveis com as zonas e formas de vida e a melhoria da qualidade ambiental. O objectivo que promove a conservação e a gestão integrada e sustentável da Mãe Terra estabelece também o fortalecimento das áreas protegidas.

As orientações da lei também são muito importantes. Por exemplo, no que diz respeito à agricultura é notável que se estabeleça o desenvolvimento de acções de protecção do património genético “… proibindo a introdução, produção, uso, libertação para o Ambiente e comercialização de sementes geneticamente modificadas no território do estado plurinacional da Bolívia, das quais a Bolívia é o centro de origem ou diversidade e daquelas que atentem contra o património genético, a biodiversidade, os sistemas vivos e à Saúde humana. “Assim se estabelece que se devem desenvolver acções” que promovam a eliminação progressiva de cultivos de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) autorizados no país … “.

No que diz respeito às florestas exige-se que seja proibido “de maneira absoluta a conversão da utilização das terras de florestas para outros usos nas zonas de vida de aptidão florestal, excepto quando se trata de interesse nacional e de utilidade pública.” Esta última disposição exige a emissão de uma lei especial para cada caso, relacionado com a mudança de uso da terra com uma justificação do dito interesse nacional e de utilidade pública.

Cultivos com o uso de transgénicos
Cultivos com o uso de transgénicos

Conselho plurinacional para viver bem e a autoridade plurinacional da Mãe Terra

Em relação ao quadro institucional criado pela lei encarregada de operacionalizar e dar sustentabilidade à gestão pública de desenvolvimento integral é importante destacar:

1. a criação de um conselho plurinacional para viver bem, em harmonia e equilíbrio com a Mãe Terra que se constitui numa instância de seguimento, consulta e elaboração participativa de políticas, planos, programas e projectos;

2. a criação da autoridade plurinacional da Mãe Terra, como uma entidade estratégica e independente, que tem competências pelo planeamento, gestão, acompanhamento e avaliação das mudanças climáticas, além de administrar e executar políticas e estratégias, planos e programas relacionados com as mesmas;

3. mecanismos dependentes da autoridade plurinacional para desenvolver intervenções na mitigação e adaptação às alterações climáticas, incluindo o fundo plurinacional da Mãe Terra como um mecanismo financeiro que tem como função administrar, canalizar e alocar recursos financeiros em coordenação com o banco central da Bolívia.

Mecanismos de mitigação e adaptação às alterações climáticas

A lei prevê a criação de três mecanismos para a gestão da adaptação e mitigação do clima, de acordo com os seguintes detalhes:

1. Mecanismo conjunto de mitigação e adaptação para a gestão integrada das florestas e da Mãe Terra: tem como objectivo fortalecer, conservar e proteger os sistemas de vida e as suas funções ambientais promovendo e fortalecendo a gestão social e comunitária integral e sustentável das florestas no âmbito das metas conjuntas de mitigação e adaptação das florestas. É um mecanismo não baseado em mercados de carbono, e se constitui precisamente no instrumento alternativo para os mercados de carbono no contexto do REDD+ que a Bolívia propôs na COP 17 na África do Sul durante a conferência mundial das nações unidas sobre as alterações climáticas;

COP 17
COP 17, Conferência Mundial das Nações Unidas sobre as alterações climáticas

2. Mecanismo de mitigação para viver bem: está orientado para fortalecer e promover acções de mitigação climática, incluindo reduções, limitações e acções para evitar as emissões de gases de efeito estufa em diversas actividades industriais, produtivas e energéticas, entre outras;

3. Mecanismo de adaptação para viver bem: Está orientado para gerir os processos de adaptação às alterações climáticas no âmbito dos projectos.

Conclusões

Como foi destacado a lei articula o viver bem, o desenvolvimento integral e os direitos da Mãe Terra, definindo orientações para a gestão pública.

Esta lei constitui uma norma de grande envergadura que vai gerar grandes mudanças fundamentais no país, onde um aspecto fundamental é o estabelecimento de quatro direitos compatíveis que permitem criar o cenário para alcançar o viver bem através de um desenvolvimento integral. A complementaridade e interdependência destes direitos são a base da convivência pacífica entre o povo boliviano, os povos e nações indígenas, originários e camponeses com a natureza. Além disso, a lei estabelece as orientações políticas, técnicas e legais para garantir o sustento das capacidades de regeneração da Mãe Terra, no âmbito do desenvolvimento integral.

Esta lei estabelece as orientações filosóficas, mas também práticas para a construção do estado plurinacional da Bolívia no quadro da implementação dos mandatos da constituição politica do estado. Além disso, é igualmente importante destacar o papel e os fundamentos jurídicos, políticos e ideológicos que os povos e nações indígenas e originários fizeram para esta norma.

Fonte: Elciudadano.cl

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here